terça-feira, 27 de julho de 2010

Impala - Orange

Olá!
Tudo?
Tudo!
Respirem fundo, já estamos na recta final! Hoje é o sétimo e penúltimo album dos Roxy! Falo do Flesh & Blood!
Lançado em 1980 convenhamos que ele foi um bocadinho melhor que o Manifesto! Já estava eu de lâmina encostada aos pulsos quando ele foi editado e eu pensei: hummm... parece que afinal ainda há esperança! Não muitaaa, mas há uma pequena luz ao fundo do túnel! Espero que não seja um incêndio que me vai matar neste maldito túnelzito dos horrores!
Por esta altura já eu me tinha largado de ilusões de que os Roxy seriam alguma coisa igual ao que tinham sido até ao mítico ano de 75. Já tinha aceite o facto de que eram outra banda, com o mesmo nome e tal, mantendo três membros nucleares e nhénhénhé, com uma estética aproximada e nãoseiquê, mas no fundo com uma dinâmica que em nada fazia lembrar aqueles gandas malucos do início dos anos 70... tudo bem! Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, Muda-se o ser, muda-se a confiança; Todo o mundo é composto de mudança, Tomando sempre novas qualidades - já dizia o poeta zarolho!
Pelo menos desta feita o Bryan largou-se de Nenucos e voltou a meter carnucha à séria na capa. Optou por três mânfias a lançar o dardo... se pode ter uma leitura fálica? Bom, até pode, embora não faça muito sentido... mas como sei que vocês tem mentes muito porcas então faço-vos a vontade! "Ó p'ra elas a segurar o dardo e tal", "malucas", "badalhocas"... pronto! Já tirámos isto do sistemazinho não é? Podemos prosseguir...
A capa como vêem é BEGE! Ora se há coisa menos inspirada que o BEGE não sei... mais uma vez só posso deduzir que o Sr. Ferry estivesse bem à frente do seu tempo, como era de seu apanágio (esta maldita cultura que não me larga!), porque a tara de hoje em dia são os Particuliéres da vida, os Jackies, os Smoky Browns (ELF amiga... a ver se voltamos a repor o stock em breve, ok?), enfim aquilo que chamávamos "cor de rato" quando ainda não tinhamos sido enféxiumnadas pela Chanel.
Cá estão elas, as machonas, a lançar o dardo, com suas túniquinhas olímpicas, a lembrar Atena, aquela solteirona bruta que caçava veados e usava armaduras e saía já criada da cabeça do pai e tal.... Não sei se estão aqui a ver a semelhança...
Bom estas duas são as meninas que aparecem na frente da capa. Por esta altura já era um bocadinho chunga usar-se cartão como se não houvesse amanhã, então as capinhas desdobráveis que matavam eucaliptos como o camandro já não estavam tanto em voga. Aliás, acho que foi à pala da maioria das bandas dos anos 70 que a Amazónia ficou como ficou!
Assim sendo, este disquinho já é politicamente correcto e é de capa única, no entanto Bryan mantêm o elemento surpresa de ter uma menina guardada na parte de trás da capinha, assim um miminho visual (sei lá) para quem vira o disco para ler a sequência das canções, o estúdio em que foi produzido, onde foi feita a masterização... enfim, tudo aquilo que qualquer ouvinte sempre faz mal compra a nova obrazinha da banda não é verdade? Então, venha de lá a moça, que é para não se sentir posta de parte neste post (sim, sei que todas elas lêem fervorosamente o blog!)... Lá está ela, boca aberta, cara de má, em esforço lançando  seu dado....
Enfim, nada de mais a acrescentar a uma coisa assim meio que para o blah, não é? Mais vale baterem com o olharzinho mas é neste Toluenozinho da vida, o Orange (e vamos lá a ver se não usando um programa de edição de imagem, se desta vez a qualidade das fotos fica melhor):






Hummmmmmmm..... mesmo assim acho que este Blogger tem algo contra as minhas imagens! No meu computador elas têm muito mais nitidez e fidelidade de cor! Ah, vejo que já há sabotagem a nivel inter-bloguístico! Chiça! Já não se pode ser a maior!! Sempre inveja, sempre inveja....
Enfim, termino a dizer que adorei este Orange. Ele na verdade é mais claro do que parece aí nas imagens. Como a maioria dos Impalas ele levou três camadinhas generosamente aplicadas de modo a que não ficasse aquele risco branco das unha a aparecer em demasia. Mesmo assim não fica totalmente opaco. Mas enfim, não se pode querer tudo! Já é o suficiente que tenha uma cor original e um brilho fantástico.
Deixo-vos também com a promessa que amanhã é o último disquinho dos Roxy. E, este sim, uma balíssimo disco!

6 comentários:

Fernanda disse...

Quero saber qual das três o Bryan pegava!!!

NotJustNails disse...

Lindooooooooo!!! Adoro essa cor :))))

Beatlemarta disse...

Bom Fernanda, conhecendo o animal com conheço, aposto NAS TRÊS mesmo...

Ana Lúcia disse...

Amo essa cor! comprei meio que sem expectativas, mas quando usei, me apaixonei por esse laranjinha

**Montes de Maquilhagem**..Sílvia..** disse...

Oii**

É muito giro =P


***

vanessa.ricci disse...

Nunca dei nada por ele no vidro, mas olha que é bem fofo hein!!!