quinta-feira, 24 de outubro de 2013

The Boy Next Door - Essence

Olá.
Tudo?
Tudo!
Para quem me segue com devoção (deveriam ser todas vocês. Hunf!) o título deste post é lido com uma sensação de deja vu.
- "Ora então a Sagrada Deusa não nos brindou já com uma acutilante resenha desta gosma?" - inquirem vocês a vocês próprias.
E eu respondo: ora bem, vejo que estão atentas. A resposta é sim e, ao mesmo tempo, é não.
- "ah que hermética que é a Deusa! Com que profunda filosofia nos brinda. Trata-se de uma charada, Ò Grandiosa?? De uma reflexão metafísica ou epistemológica?"
- Não, gentis bebés... trata-se de filhadaputisse apenas.
Eu explico. A Essence, NOVAMENTE, lembra-se de lançar uma gosma diferente mas que mantem o mesmo nome que uma outra que ela já tinha no catálogo e que resolveu retirar.
 Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Free Image Hosting at www.ImageShack.us
Sai o The Boy Next Door cremoso, entra o The Boy Next Door metálico. E a lógica e a decência que se explodam!
Free Image Hosting at www.ImageShack.us
The Boy Next Door - Essence

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Free Image Hosting at www.ImageShack.us
Assim sendo, desta feita trago a mesma gosma que já vos trouxe anteriormente, só que é outra gosma embora seja, tecnicamente a mesma. É tipo, sei lá, entrar sorrateiramente pela janela do quarto de um bebé durante a calada da noite, levar o anjinho de cabelos dourados e deixar um igualmente amoroso, se bem que claramente diferente, pimpolho afro-descendente.
É óbvio que, nem que se tratasse de uma mãe ainda mais negligente que a Srª McCann, e mesmo que tivesse estado a noite toda a emborcar tintól no Tapas Bar, que daria pela troca.
Se o The Boy Next Door original (podem ver o respectivo AQUI) era um suave azul cremoso, com toque de cinza na formulação, aspecto elegante e sereno que seguia nas pisadas do Blue Boy da Chanel; este The Boy Next Door recauchutado é um creuzo Priscila, Rainha do Deserto, pleno de vibrância e cintilação no seu acabamento metálico, aplicado a um azul-bofetão-na-cara-pontapé-nos-tomates nada discreto.
Confesso que não morro de amores por azuis tipo royal com acabamento metálico. E este só o comprei para poder vir para aqui mostrar a comparação entre ambos, desabafar acerca destas ideias de cocó que a Esssence de vez em quando tem, e provar a mim mesma que não estou maluca, que ambos existem REALMENTE no mesmo plano espacio-temporal. Objectivos cumpridos, creio eu de que.

3 comentários:

Cátia Peralta disse...

Só podes andar a ler-me a mente!

Ainda ontem dei de caras com este menino na loja e vim para casa googlar o que se teria passado! Achei maravilhoso no vidro... agora nas unhas já fiquei com mais dúvidas.

Estava a tentar convencer-me de que este novo poderia ser um dupe do olho turco e se tiveres como comparar ia gostar muito! (pedinchona hehe)

Agora tenho mesmo que concordar que não está certo trocar o conteúdo de um frasco mantendo o mesmo nome! :\

Beatlemarta disse...

Cátia, minha fofa, se eu tivesse como os comparar, faria isso por tí com todo o gosto.
Infelizmente não tenho o Olho Turco, o que deve ser o motivo pelo qual quanto mais rezo mais assombração me aparece. ahahaha...
Mas tenho a certeza de que não são dupes. Além do azul do OT ser mais escuro, ele é tingido de roxo e o acabmento é mais glass fleck do que metálico. Se um dia esse fofinho encontrar o seu caminho para as minhas unhas, eu faço-te essa comparação :D

Ju Balbino disse...

eu gostei mais dele metálico :)
mas os nomes podiam ser diferentes! ^^

bjoos